Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FUGAS DO MEU TINTEIRO

Imagens e palavras de um mundo onde há menos gente

FUGAS DO MEU TINTEIRO

Imagens e palavras de um mundo onde há menos gente

A vaguear pelos Açores (III) - Capelinhos e Capelo (Faial)

João-Afonso Machado, 29.03.21

Essa ponta no norte do Faial goza (e sofre) a sua história ímpar. Foi nos anos de 1957-58, quando o mar entrou num borbulho quente e sinistro, e a água se fez lama incandescente, depois pó e terra firme. Um fenómeno vulcânico contemporâneo da génese da RTP, e a sua primeira reportagem de exterior. Também o motivo dos magotes de imigração naquele bocado da ilha. As dezenas de sismos sequentes e o pavor do fogo ditaram a reacção dos autóctones, e não seria pior ideia estudar os seus efeitos no presente...

Com este protesto da Natureza, o Faial cresceu 2,8 km2...

IMG_4082.JPG

Do desastre restou, quase literalmente, uma extensa zona lunar. Terras castanhas, sem uma planta, sem um insecto sequer. Sem o que a prenda ao solo, poeirenta, levada no vento, subindo cumes sem caminho. Enfim, uma fonte de sede e de nada. Nem de uma gaivota, apenas. Antes do precipício, um farol abandonado. É o silêncio absoluto e, cá em baixo, um Centro Interpretativo.

IMG_4078.JPG

É onde compreendo o vulcão. Se ele fugir aos "centros interpretativos" como eu fujo, abriu asas na calada da noite, e fulgura agora em outra qualquer terra aflita. Ficou nada; sobretudo ficou o prazer do esquecimento das gentes da freguesia do Capelo.

FONTENÁRIO.JPG

Rezam elas, que a Natureza as deixe em paz. Sem sobressaltos, muito menos vulcões: que essas histórias antigas sejam só isso mesmo - antigas, de tempos idos. O mais é o quotidiano da sua lavoura.

Por isso o Capelo não é uma freguesia propriamente turística. É, simplesmente, o lugar de quem não foi embora.

IMG_4086.JPG

Mas com primor. A negritude do seu basalto engalanada nas cores das portas e janelas. Feita de gente simpática como mais não há. Pobres? Ricos? Não sei.

IMG_4087.JPG

Seguramente, devotos à sua igreja paroquial. Entre o casario em ruinas, que vamos detectando, ficam essas cores de vida actual; uma distância prudente do lugar do desvario de outrora; e famílias continuando a pensar, este é o seu sitio de vida pelo tempo fora.