Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FUGAS DO MEU TINTEIRO

Imagens e palavras de um mundo onde há menos gente

FUGAS DO MEU TINTEIRO

Imagens e palavras de um mundo onde há menos gente

O livro que a Fátima Bento me ofereceu

João-Afonso Machado, 05.06.21

IMG_0221.JPG

Foi em pleno confinamento, num desafio lançado pelo blog Porque Eu Posso (https://porqueeuposso.blogs.sapo.pt/) da Fátima Bento, que me calhou esse livro, recebido pelo correio e lido com toda a merecida atenção. Trata-se do Explicação dos Pássaros, e o seu autor, António Lobo Antunes, não é de leitura fácil.

Dele sempre dei primazia às Crónicas, com as quais creio muito ter aprendido. E ainda agora procuro, na complexidade dos seus romances, os vestígios desses olhares cirurgicamente lançados sobre as pessoas, os lugares e as épocas - encontrando-os sempre entre enredos mirabolantes de ironia, dramatismo ou crueza e ternura, de tudo o que, afinal, faz parte a nossa vida.

No Explicação dos Pássaros é o que sucede. Conforme Lobo Antunes prefere, o recital é tocado a várias mãos e cantado em coro. Calcando voluntariamente a disciplina das narrações, conduzindo-nos sem piedade à decifração do quebra-cabeças. Parágrafo a parágrafo.

Mas os personagens estão lá, vivíssimos, iguais a todos nós, com os mesmos defeitos e as mesmas virtudes, idênticas experiências. Procurando algo, numa interrogação constante, como as pequenas aves empoleiradas nos ramos - alerta, quando não namorando.

Os dias de um homem, a montante e a jusante dos seus instantes de solidão, quando lançados de rojo pensamentos, memórias, sentimentos, hão, em síntese, de significar a escolha do título deste livro, dada a sua semelhança com o voo dos pássaros - inconstante, levado pelo clima para mais longe e regressando entretanto, vítima de fatalidades, sempre imprevisível entre a beleza das suas cores e dos seus trinados, infinitamente gracioso, resistentemente frágil. 

Assim é também a nossa existência. Muito obrigado, Fátima!