Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

FUGAS DO MEU TINTEIRO

Imagens e palavras de um mundo onde há menos gente

FUGAS DO MEU TINTEIRO

Imagens e palavras de um mundo onde há menos gente

Os Desafios da Abelha|O grande detective

João-Afonso Machado, 15.12.21

1.jpg

Era, definitivamente, o sonho único de Duncan - a investigação criminal, a vida de detective. E assim se intitulava, com escritório em Aberdeen e o kilt que a Escócia já reservava para os grandes festejos apenas, e Duncan para as suas idas diárias ao pub, onde lia os jornais e vaticinava sobre os espantosos casos locais e mundiais (- This portuguese Rendeiro, I'm shure he is in South Africa! -) enquanto emborcava espevitantes pints.

Ontem mesmo, indo já o terceiro aviado, surgiu Ian esbaforido, pálido, leitosamente aterrorizado, a cabeleira ruiva toda em pé, as sardas parecendo latejar. - What happened my friend? - Pois dera com a Anne prostrada na sala, inanimada, - probably dead - ia já a caminho da esquadra.

Num instante Duncan ordenou-lhe ficasse - Stop! Wait a minute! - e com ele ficasse também a sua grande oportunidade, o seu passaporte para a Scotland Yard. Que lhe contasse Ian, rapidamente, o que vira, o que sucedera.

Sucedera uma visita a casa da Anne, nos arredores - To whish a Merry Christmas, with a tea box and some cookies for her... - E ei-la inconsciente - in the floor - o pratinho com os biscoitos do lanche esquecido a um canto, livros abertos, papelada espalhada por toda a parte, mesmo espetada na parede...

Mas quem faria mal a Anne - little poor Anne! - E até o seu gato - run away - reforçava Ian, logo apontando suspeições ao intratável Sir Archibald, o dono do tenebroso - neighboring castle.

- Everyone know he has a special appreciation for Anne...

E Anne fugia dele a sete pés, reconheceu Duncan. Mas era tudo demasiado óbvio e Ian relatava desarrumo, não evidências de violência. O gato desaparecido... Ora! O bichano adorava o jardim da dona, sempre colorido de tantas flores e mais borboletas, Anne vivia para ele e para as noites estreladas. A sua biblioteca dedicada à astronomia era imensa e a sua crença em fenómenos druídicos, rituais iniciáticos, também.

ABELHA.png

Pois... e... sim, - the last night was the great's comet night! - Tudo se esclarecia. Anne nem se deitara, na ânsia da sua visão: simplesmente adormecera - so tired! - no chão, depois de devorar biscoitos e literatura à janela, de olhos postos no firmamento.

- Ian, please, come back to Anne´s house and tell her I'm waiting to talk about the comet. Go, go now, if you don´t mind! - disse, autoritário e seguro. E, como se aspirasse uma profunda cachimbada, mirou Douglas, o barman, e sorriu - resolvera o seu primeiro caso.

 

(Desafio da Ana de Deus https://rainyday.blogs.sapo.pt/os-desafios-da-abelha-cria-um-texto-475060)

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.