Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FUGAS DO MEU TINTEIRO

Imagens e palavras de um mundo onde há menos gente

FUGAS DO MEU TINTEIRO

Imagens e palavras de um mundo onde há menos gente

Madrid (I) - O Parque del Buen Retiro

João-Afonso Machado, 06.12.22

Ao longo de toda a rampa, a feira semanal de livros antigos. Uma tentação, obras de se agarrarem com as duas mãos e a razão a conseguir sobrepor-se - a exorbitância dos preços, a dificuldade no seu transporte. Dois cavalos da Guarda fizeram-se ouvir na calçada e a sua tranquilidade veio também refrear tais impulsos. A volta prosseguiu, pois, com a entrada no Parque del Buen Retiro.

IMG_6683.JPG

Estão ali cerca de 125 hectares, mesmo perto do Centro de Madrid (e especialmente do meu hotel...), uma área que talvez nenhuma propriedade minhota alcance; uma assinalável mancha verde no mapa da cidade. Fiz prévias perguntas, ouvi estranhas respostas: uma logista macarroneou não sei que alusão a «evil». - Evil? Esta maldito porque?

Não sabia. Nem acescentava fosse mal frequentado. Coisas antigas...

O Parque, constatei, estava, sim, sobrefrequentado. Era sábado e toda a Madrid convergiu para cima do meu sossego. «Evil»... Que romaria nas suas diversas entradas! E localizando-se estas em portões imponentes, de onde nasciam as suas "avenidas" principais, rapidamente me escapuli para as ramificações, caminhos toscos e escondidos pelo arvoredo. Talvez desse com um dos derradeiros lobos da região...

IMG_6714.JPG

Mas o que descobri cortou cerce as minhas ilusões. Loriquitos! Às centenas. No chão e abrigados nas copas dos pinheiros e cedros. Chilreando infernalmente!

IMG_6684.JPG

Onde está praga dá, poucos mais se aguentam, despedaçados pelos seus agressivos trombis. Pelas redondezas sobravam pombas, algum melro na clandestinidade, pegas aos pares (porque com estas, muita atenção!...)

IMG_6691.JPG

e um bico grossudo, muito entretido em ramagens nuas, um pássaro que nunca até então fotografara.

IMG_6690.JPG

Assim o passeio prosseguiu todo mundano já. Havia água correndo e o seu destino era o «estanque». Qualquer coisa a fazer lembrar, mais pobrezinho, a pomposa Versaillhes.

IMG_6694.JPG

É, uma Versailles popular com dezenas de barquinhos a remos a transbordar de famílias inteiras rodeadas de... gaivotas, aos molhos, e até, como sinaleiros no cais, alguns corvos-marinhos! Em pleno coração da Peninsula Ibérica!

IMG_6695.JPG

Em redor do «estanque» o auge da animação. Dava-se de comer aos patos e às carpas. Ouvia-se música, mesmo algum bem tocado jazz, duas chicas dançavam e o trompetista piscava-lhes o olho...

IMG_6704.JPG

Tudo isto rodeado de muitas esplanadas, vale dizer de horas e horas de espera para ser atendido. Desviei-me para a banda. Bonecos gigantescos de peluche espaventando-se á cata de uma moeda estorquida às criancinhas, a imaginação das estátuas vivas,

IMG_6700.JPG

a visão de um casal de piadeiras, quer nadando,

IMG_6701.JPG

quer voando (o tempo de espera, o meu, para assistir e fotografar a passagem!).

IMG_6712.JPG

e Afonso XII, O Pacificador, por todos zelando no topo do seu pedestal.

IMG_6706.JPG

A manhã estava feita neste seu reino de palradores e psitacídeos. Abalei em demanda de lugar recôndito para o almoço.

 

Arcos de Valdevez

João-Afonso Machado, 16.11.22

Começo com aves. Já quase encostado a Espanha, no coração do Alto Minho, onde a gaivota chegou na prudente quantidade que não a transforma numa praga.

IMG_6602.JPG

Apenas, como a garça real, mais uma comensal ribeirinha do Vez, decerto o mais bucólico e atraente rio da provincia.

IMG_6599.JPG

Um afluente do Lima. Pimponeando-se no arvoredo das suas margens, a pega rabuda contará o resto do dia.

IMG_6600.JPG

A vila dos Arcos de Valdevez, sede concelhia, deixando de lado origens e episódios antiquíssimos, foi o palco do célebre torneio de 1141 em que se confrontaram cavaleiros portucalenses e leoneses, com inquestionável vitória daqueles.

TORNEIO 1141.JPG

Assim ficou aberto o corredor para o tratado de Zamora (1143), marcante da Fundação do Reino de Portugal. "Arcos de Valdevez, Onde Portugal se Fez" - é a frase-símbolo local. Mas as margens do rio ainda chamam por nós, chamarão sempre. A montante não haverá barragens nem a obesidade mórbida das albufeiras a matar-lhe a saúde. Aos pés da vila, a ponte antiga

PONTE ANTIGA.JPG

aponta ao "cruzeiro dos milagres" e ao hotel que é o seu pano de fundo.

CRUZEIRO DOS MILAGRES.JPG

O rio são águas transparentes, ilhas, voltas caprichosas, vegetação e pontões e pontinhas;

IMG_6597.JPG

remansos e momentos furiosos; sol que aquece ou frescura que alivia; e muito peixinho, entre trutas e barbos.

IMG_6613.JPG

Já a vila dos Arcos se pauta por uma serenidade quase inquietante. No seu alto, entre jardins

IMG_6605.JPG

e arruamentos, o mundo deixou-nos em paz

IMG_6606.JPG

E, se calhar envergonhada dos prédios e das urbanizações que vão atacando a periferia, presenteia os viajantes com as vistas do barroco da sua igreja da Misericórdia,

IGREJA MISERICÓRDIA.JPG

da Casa do Requeixo (agora um hotel de charme)

REQUEIXO.JPG

ou do ancestral e icónico Paço da Giela.

IMG_6615.JPG

É o tempo das cores do Outono. Os Arcos vivem (mais ainda...) a sua quietude.

OUTONO.JPG

Só lá para Março, regressarão as canas de pesca: as tardes sobre as pontes ou nas margens, a conversa fiada, o gozo dos nativos no seu Vez...

 

Amora

João-Afonso Machado, 22.10.22

É uma cidade no concelho do Seixal. Uma vila, durante breve estação. E uma freguesia durante séculos de pousio das populações, dos moleiros e da vida piscatória. Era ainda apenas freguesia, logrou a proeza de se alcandorar à I Divisão Nacional futebolística. O Amora Futebol Clube! Não havia precedentes nessa façanha e assim a terreóla entrou no mapa dos meus conhecimentos.

ESTÁDIO FUTEBOL.JPG

Por essa altura, e por mero acaso, li um edital num jornal qualquer um assunto macabro: notificavam-se os familiares de umas vastas dezenas de defuntos para removerem as suas ossadas do  cemitério de Amora, sob pena de as mesmas serem encaminhadas para a vala comum. Os nomes dos extintos, a modo que guineenses, indiciavam o fim da primeira geração dos retornados (refugiados?) das nossas ex-províncias ultramarinas...

Logo vislumbrei um mundo zombie, repleto de anonimato. Mas era um rapaz novo, com voos apontados a outras paragens. Pus o pé na Amora somente há dois anos. No Verão, para jantar um peixito.

Agora voltei. No intuito de conhecer o que de antemão perspectivara. Uma aldeia num foguete transfigurada em outra cidade satélite. Urgia galgar as torres e alcançar os bocados carcomidos do seu berço.

DE LONGE.JPG

Lá mais acima a vista é animadora. Mais a mais na maré baixa do Tejo e da baía que se entretém a baralhar-nos no posicionamento das localidades. Chegar ao rio é um instante, almoçar junto do cais uma delícia se não for uma dominguice pesada de famílias e criancinhas chorosas, valendo-se apenas de polvo à lagareira.

E depois o passeio.

SOC. FILARMÓNICA OPERÁRIA DE AMORA.JPG

A Sociedade Filarmónica Operária de Amora (o operariado ainda é tema aqui...) ignoro como se organizou num magnífico edifício junto à baía. Como ignoro o que faz ou tenciona fazer no que me palpita já ter sido apenas o cinema local. Ante ela uma rampa que decerto findaria nos primórdios da freguesia que eu buscava.

Mas a maré vaza podia fugir. Por isso não deixei as águas para trás e o que a sua ausência põe ao léu, o mundo antigo de que sobram algumas carcassas,

FÓSSIL - II.JPG

mesmo em plena decomposição, ossadas, o tema inicial de Amora.

FÓSSIL - I.JPG

E as aves, sempre as aves, a maior riqueza do Tejo: pilritos, gaivotas,

GAIVOTA.JPG

garças, maçaricos... Quem, daquelas torres periféricas, com gosto de as apreciar?

MAÇARICO.JPG

Iniciada a escalada, após, o vetusto casario de Amora. Os seus "palácios". A roupa secava no exterior não obstante os grossos pingos de chuva. Sempre com a aparência mais natural.

CASA ANTIGA.JPG

A igreja paroquial pedia meças à da minha aldeia, onde todos conhecem todos e a lavoura é modo de vida... Um velório na casa funerária com cinco participantes cumprindo o seu dever, o que seria feito dos vizinhos?... Nos portais do cemitério, colados, rasgados, os já referidos editais, passaportes definitivos para o breu da História.

CEMITÉRIO.JPG

Mas uma muito idosa ainda visitava campas decoradas com flores artificiais - as gentes talvez não, mas a humanidade estará por uma geração ou duas mais...

 

Vizela

João-Afonso Machado, 27.09.22

O ambiente nunca foi harmonioso. Mas em 1982 o motim eclodiu: a população toda na rua, os sinos tocando a rebate, o caminho-de-ferro de carris levantados... Vizela queria ser concelho, reclamava meia dúzia de freguesias para o constituir, e pela noite fora os archotes acesos incendiaram impropérios contra o imperialismo de Guimarães.

Simpatizante da facção vimaranense (que a minha gente é muito de lá), durante anos não tornei a Vizela. Mas a idade tudo esquece e o tempo tem gestos benfazejos como, por exemplo, produzir ruínas e castigar famigerados texteis.

IMG_6450.JPG

Ainda agora percebe-se estamos numa fase de grande indecisão. E de perplexidade: restarão vestígios de uma eventual visigótica ou henriquina indústria?

IMG_6448.JPG

Vizela, alcançada a alforria concelhia em 1998, por ora não tem resposta. Prepara o seu Museu da Indústria Textil (do qual passo ao lado), mas resguarda o centro (a antiga vila) de toda essa confusão produtiva e laboral e, claro, aposta na sua riqueza termal.

(Propositadamente para lá parti sem sequer um livro na mochila. Demandei a livraria, o ensaio sobre Camilo Castelo Branco em Vizela,

CAMILO.jpg

algo que me levasse adiante dos Gracejos que matam das Novelas do Minho - debalde, porém. O gosto da leitura rareia nestas caldas e eu não encontrei melhor, para me entreter à noite, do que um romancezeco do Mário Zambuzal.

Como quer que seja, a Vizela antiga defende-se bem. Banha-a o rio com o seu nome,

IMG_6474.JPG

dá-lhe sombra o frondoso Parque das Termas, lugar de amores e enredos camilianos.

IMG_6440.JPG

De muitas árvores e lagos,

IMG_6444.JPG

de muitos silêncios e amigáveis seres,

IMG_6443.JPG

com o curso fluvial sempre a ladeá-lo.

IMG_6447.JPG

A cidade não é monumental mas as suas praças são aprazíveis lugares sem berraria. Ficam ainda indeléveis marcos da riqueza de outrora

IMG_6449.JPG

e de um comércio como já não há.

IMG_6477.JPG

Além disso, ainda que os edifícios vão caindo aos pedaços, sempre sobraçarão a bandeira do novo concelho, pregada nas frontarias. É assim por toda a Vizela

IMG_6475.JPG

que exibe também saborosas febras do humor minhoto.

TALHO DAS TERMAS.jpg

Os hoteis, irmãos amicíssimos das termas, juntam-se na rua principal (recordo a quietude da parança), não longe do parque. Tudo vai sendo recuperado mantendo traços simpáticos da arquitectura dos primórdios.

IMG_6454.JPG

Os dias passeiam-se tranquilos como as tartarugas e os cágados nos penedos do rio.

IMG_6467.JPG

A jusante das termas vamos descobrir (com imensa pompa indicativa) a ponte romana. Ou não será românica?

PONTE ROMANA.JPG

Estou em crer que os letreiros enganam: a edificação actual é já uma reconstrução medieva. A Ponte Velha, assim é mais justamente nomeado este monumento nacional. Desta Vizela tão recente e tão antiga em História a que poucos parecem atender.

 

Bares (A Coruña)

João-Afonso Machado, 03.09.22

Foram cerca de 50 quilómetros desde o Ferrol até este marco inesquecível da Península Ibérica, o seu extremo setentrional. Para nós, minhotos e galegos, uma referência. Qual seja ela, o fim do nosso mundo, o início da outra Europa.

Neste correcto modo de falar, se a Punta de Estaca de Bares não ficou para trás é porque não negligenciei o início geográfico de todo o meu ser: Mesmo a começar no embrião. Ora não há espeto mais profundo nas nossas águas marinhas que não seja ela, a Punta de Estaca de Bares. É ir o mapa e tirar as medidas à nossa Peninsula!

Essa a realidade que eu queria sentir. Ver... - e sentir. Espreitando a norte, onde o sol não nasce e se adivinha um oceano solitário, temeroso desfecho, encerrado em si mesmo.

IMG_6415.JPG

É a terra de Bares, no concelho de Meñón, Corunha. A mais caprichosa costa marítima, entre recortes de mulher fatal, latina de faca na liga. Mas a gente chega lá...

E, chegando, dá com essa lâmina afiada a furar mais longe o oceano. No ponto geográfico onde os mapas dizem o fim do Atlântico e o princípio do Mar Cantábrico - uivante evocação dos idos da gesta romana! Tal a solenidade dessa falésia.

Para o lado oposto, a poente, outro aguilhão, quase tão afiado, a esburacar também fundo as águas - o Cabo Ortegal, já nos domínios concelhios de Cariño.

IMG_6414.JPG

Chegar ao destino foi, por fim, um repouso. A Punta de Estaca de Bares tem beleza sem par, cresce alta e povoada de ecos e rebanhos.

IMG_6411.JPG

Fez-se Reserva Natural e dispõe de um tosco farol que passa ao lado das intenções do visitante. É um dos ambientes de maior pluviosidade na Península - comprovadamente neste final de Agosto - sempre condizente com a fauna que vai e vem (quantas espécies ornitológicas!) ou permanece. Num instante ganhei as graças de um cartacho do norte, variedade só destas lonjuras,

IMG_6418.JPG

feliz e despreocupado, amigo e fotogénico, revelando quanto não é perseguido...

Havia muito ainda entre aqueles promontórios de ondas insonoras. A Punta de Estaca de Bares podia ser um dia inteiro ou uma vida toda.

IMG_6416.JPG

Mas quem vai de viagem segue nesse sofrimento de conhecer à superfície e adiante. O pasto bravio é grande e, após o cabo, descendo íngreme fica um arremedo de baía pedregosa.

IMG_6425.JPG

Tornando atrás - seguindo a indicação de "praia e porto" - almocei e gozei a amenidade da pequena enseada e das embarcações nela fundeadas.

IMG_6426.JPG

Nesse exíguo povoado com todas as casas de comer que não vislumbrei em mais lado algum desprezei o marisco e, inusitadamente, comi carne. Diante mim, o ilhéu misterioso, sem nome por que respondesse

IMG_6420.JPG

e a praia, bem areada vilegiatura de alguns espartanos, dos que dormem no gelo, se forçoso for.

IMG_6427.JPG

Estávamos no início da Ria de Barquero. Com sintomas de protecção proto-histórica contra os efeitos das marés e afiançadas manifestações de ocupação fenícia. (Isto de a gente andar com os olhos no relógio...) Vim para cima. E somente à despedida, depois de uma repousada cerveja, conheci o centro do pueblo.

IGREJA DE BARES.JPG

Bebi-a, a cerveja, no único estabelecimento dessa Bares de velhos e bengalas, de total mudez. Onde será falacioso referir arruamentos além do principal, para o qual dá a pequena ermida de Santa Maria de Vadres...

 

No Ferrol (A Coruña)

João-Afonso Machado, 01.09.22

Posta no pico da Galiza, nas margens da Ria com o seu nome entrando muito desembaraçada terra adentro, ficava a ideia de uma cidade marítima vivendo ao ritmo das marés no trautear das embarcações piscatórias.

Assim o Ferrol me pregou a maior surpresa, não tanto pelas suas dilatadas dimensões quanto pela habilidade com que se esconde e tapa os olhares à Ria.

Mesmo porque o Hotel Silva (eu li "irmão" em "Silva"...) ficava num alto incaracteristico, feito de sucessivas encruzilhadas de ruas todas iguais e distantes da zona ribeirinha. Esta adivinhava-se pelos pescoços monstruosos dos guindastes, mas foi um tormento alcançá-la enfim.

IMG_6394.JPG

Muito por causa da Marinha, como se a guerra permanecesse no Ferrol.

IMG_6379.JPG

Os portões às catadupas; o muro da fortaleza quase a muralha da China. A parte histórica da cidade pertence ao Arsenal Militar

IMG_6381.JPG

e à Navantia, uma sociedade que administra os estaleiros e as poucas migalhas de vistas para as águas.

Só chegando, sem mapa, ao Paseo da Marina pude assentar numa esplanada frente ao Peirão de Curuxeiras e gozar finalmente duas canecas de Estrella Galicia e uma dose compacta de veleiros, lanchas e botes.

IMG_6432.JPG

Aí consegui tirar umas fotografias no intervalo de uma diplomática e inacabável conversação com duas galegas manas, ambas de dentes muito amarelos do tabaco e de uma amabilidade que me conduziu, no carro delas, de regresso ao Hotel Silva.

IMG_6431.JPG

Bem hajam as duas senhoras, ferozes castigadoras da memória do Caudillo e espíritos fieis à de D. Juan de Borbón. Eu creio que uma delas apreciava o tinto espanhol, no qual me aventuro pouco... Ainda assim acabei sabendo que, por trás de nós, ficava a Madalena, o que restava do burgo antigo, ainda e sempre escondido por muralhas.

IMG_6430.JPG

Pois o dia seguinte usei-o a explorar a Madalena, um xadrês de ruas pedonais com artérias de um só sentido automóvel. Complicado... Estimei o Paradoro do Ferrol e o seu mirante e estranhei o pouco comércio, o alheamento que ia pelas ruas pejadas das costumeiras varandas espanholas

IMG_6389.JPG

e com um ou outro edifício mais pitoresco.

No Ferrol, até ao ano 14, vivemos numa casa da Rua do Hospital» - escreveu Gonzalo Torrente Ballester, que daqui era natural, em O Sangue, o Vento, a Guerra e Outras Histórias. Mas não dei com ela, com a Rua do Hospital, somente com o Centro Torrente Ballester que, de resto, não visitei, conquanto aprecie imenso o escritor.)

IMG_6393.JPG

Nada que não se visse de uma penada só, e apenas uma loja de velharias e de livros em segunda mão, com uma montra convidativa, me podia impedir de corresponder a um chamamento vindo quase do Além: era o Castelo de San Felipe.

IMG_6404.JPG

Até lá, praias minusculas e o palco de mergulhos gelados de heroicos galaicos

IMG_6395.JPG

bem como a intensíssima percepção de os montes que se erguiam e estreitavam no desembocar da Ria do Ferrol em águas atlânticas.

IMG_6401.JPG

A modos de dois marinheiros do Arsenal, o castelo de San Felipe, do lado de cá, e o de A Palma, no de lá, vigiavam muitos séculos de movimentação marítima.

IMG_6398.JPG

Mas daí, graças aos Céus, vinham imagens mais cheias da Ria,

IMG_6397.JPG

dos navios de grande calado atracados, dos gestos portuários que a animavam.

IMG_6407.JPG

Do Ferrol me bastava. Voltei ao hotel, não sem antes jantar em O Pazo - vinos y tapas, já vizinho, a dona já conhecida também,

O PAZO.JPG

afora o seu jamais proclamado nome, substituído pela sua fantástica ronha. («... uma criada nossa que cantava uma canção galega carregada de malícia que a mim, na altura, me passava despercebida»... - Torrente Balester, obra cit.)

 

Da Costa Nova a S. Jacinto

João-Afonso Machado, 23.08.22

É o exercício militar da temporada, superiormente orientado pelo Almirante Z. ao leme. Com rotas de navegação diversas, incluindo a da lendária "nascente" da Ria por um labirinto de canais descobertos na baixa-maré. A tripulação é numerosa, o frio cortante e aqui o comodoro tem a seu cargo a captação de imagens e a busca dos famigerados bandos de flamingos. Mas a operação gizada para este ano previa apenas um raid sobre as sardinhas assadas de S. Jacinto.

O primeiro contratempo a bordo não se fez esperar: ainda o semi-rigido ia em aceleração, o assoreamento, um banco de areia no coração da Ria, meio metro de profundidade das águas e o encalhe. (O comodoro, de pé, compenetrado nas suas funções, quase foi borda fora com o solavanco...) E a embarcação, lavrando o fundo arenoso, logrou prosseguir, troando sempre, generosa em adeuses ao pessoal à vela

IMG_6337.JPG

já no horizonte se perfilava a moderna ponte da Costa Nova.

IMG_6340.JPG

Por todos os cais da Barra traineiras e navios mercantes atracados,

IMG_6343.JPG

paisanos acenando entusiasmados com o garbo da nossa máquina de guerra.

IMG_6345.JPG

Pescava-se muito, com ou sem sucesso,

IMG_6348.JPG

e este experimentado comodoro sempre trouxe consigo uma garça branca

IMG_6350.JPG

sendo preocupantes as notícias que corriam de récuas de javalis invadindo a nado e povoando a ilha onde só os marítimos fazem praia.

IMG_6361.JPG

Por isso nos mantivemos em alerta enquanto o nosso heroico Almirante Z. partia sozinho num reconhecimento top secret.

IMG_6368.JPG

Já S. Jacinto elevava nos ares os aromas da sua riqueza de pratadas e pratadas de sardinha assada.

IMG_6346.JPG

Terrinha lenta, inofensiva, servida por ferrys e atractivos restaurantes, sem torres, sem magotes de pares de cuecas; onde os reformados utilizam a cana de pesca como se jogassem a bisca à sombra. S. Jacinto chama por nós resmoneando entre dentes - Venham, venham, enquanto é tempo!... - E faz rebrilhar no sol algumas das suas pérolas habitacionais a desafiarem a migração minhota até ao último e solene embarque do comodoro.

IMG_6369.JPG

Um dia, quiçá... Entretanto, levado a cabo o saque, devoradas as sardinhas todas, havia que regressar.

IMG_6371.JPG

Viemos em nova corrida e tomámos a margem ilhavense pelo Canal Oudinot até ao Forte da Barra. Era o epílogo da epopeia imensa.

 

Costa Nova do Prado

João-Afonso Machado, 19.08.22

«... E eu considero a Costa Nova um dos mais deliciosos pontos do globo. É verdade que estávamos lá em grande alegria e no excelente Palheiro de José Estêvão» - eis como Eça de Queiroz relatava em carta a um seu amigo (quem?) andanças pelas bandas de Aveiro em Junho de 1893. Quando a Costa Nova, da freguesia da Gafanha da Nazaré, Ilhavo, seria quase só uma lingua de areia a deitar fora entre a ria e o mar, e os palheiros começavam a não ser apenas armazéns de embarcações e artefactos de pesca. Em madeira pintada com restos de óleos e tintas que lhes davam o seu tom original, negro e acastanhado.

IMG_6300.JPG

José Estêvão Coelho de Magalhães, liberal convicto e um dos desembarcados no Mindelo, depois orador parlamentar fulminante, natural de Aveiro, era um desses proprietários e o seu filho, o Conselheiro Luís de Magalhães, já longe de tais lides, decerto rapidamente destinou o palheiro a residência de veraneio. Onde recebeu muitos dos das suas relações, conforme os seus descendentes ainda hoje praticam com os descendentes dos de então, que é o meu caso. Por lá passo todos os Agostos, por lá familiarmente sou acolhido para uns dias de passeio, de cavaqueira e de jantaradas. E de reencontro com esses senhores regrados pela honestidade e sentido de humor e por saberem ler e escrever. Estão todos no Palheiro mesmo agora, o grande José Maria sempre sofredor do bacalhau de cebolada, aflitíssimo à noite, ruidoso até, entupindo o acesso à casa de banho...

Mas a Costa Nova cresceu, virou lugar habitável e de férias, encheu-se de um zebrado multicolor que se transformou no seu ex-libris. Alegre, garrido, cercado de turismo. Ainda o outro dia, pessoa interessada me pediu um fornecimento de imagens desse casario e não houve senão como chamar o velho Figueira, o meu almocreve (se o intitulo recoveiro ele enfurece-se...) - Ó Figueira, mete a albarda ao burro e leva esta encomenda a tal parte, se fazes o favor. - E ia-lhe passando as imagens - Olha, leva esta

IMG_6310.JPG

e esta também,

IMG_6311.JPG

já agora...

IMG_6312.JPG

e assim como assim,

IMG_6317.JPG

...vai também outra, ainda que desafinada, mas pode ser que sirva para conserto...

PARA RESTAURO.jpg

Enfim, acabei enchendo-lhe o saco todo. O Figueira mirou-o, mirou o dorso da alimária e disse coisas entre o imperceptível e o irrepetível, - Vai lá, Figueira, deixa-te de resmunguices que a viagem é longa, tens para uma semana, não menos. (O velho Figueira foi e sei que chegará ao seu destino, homem diligente e de confiança é ele, são muitas décadas de bons serviços.) Feito isto, encaminhei-me para a praia, a espreitar os cargueiros que passam a barra

IMG_6305.JPG

transportando sonhos, planos, outros mundos a que dali um dia chegarei a bordo. Membro da tripulação, cortando os ventos frios a goles de aguardente, esfregando talvez o convés, mas sempre com tempo para sorver o espaço sem fim à proa, mesmo na pontinha.

Enquanto não, atravesso a língua e, na ria, colho o silêncio das águas, os derradeiros moliceiros já só passeios estivais, motorizados, pagos à hora.

IMG_6324.JPG

Mas mesmo aí de espírito firme no encalhado, junto à marina,

IMG_6329.JPG

esse moliceiro que um dia há de voltar a carregar moliço, o cheiro do moliço e a prata dos peixitos apanhados nele, o rabiar das enguias ante o monóculo arguto do venerando Eça - Menino!!! - sôfrego de caldeirada e revivendo os caminhos por que trouxe Jacinto Galeão aos lugares sãos.

 

Midões do João Brandão

João-Afonso Machado, 16.08.22

Ainda haverá quem se lembre da cantilena - «Lá vai o João Brandão/A tocar o violão/Casaca da moda na mão/Atão, Atão, Atão». Menos certo é descobrir quem saiba do protagonista desta lengalenga já tão velha. Eis, pois:

Chamavam-lhe o "Terror das Beiras" e, filho de pai ferreiro, pertencia a uma família de ladrões impenitentes e pretensamente guerrilheiros no seguimento da Guerra Civil. Todos abençoados pelas instâncias liberais sempre aliviadas e coniventes com algumas mortes perpetradas pelo clã... Foi assim, com sucessivas acusações e absolvições, até ao advento da Regeneração e ao homicídio de um padre, crime pelo qual o João Brandão foi condenado à pena capital depois comutada no degredo em Angola. Onde, aliás, viria a ser assassinado...

Sucede, João Brandão era natural e residente em Midões, concelho extinto em 1853 e hoje uma freguesia do município de Tábua, Coimbra. Não muito longe dos contrafortes da Estrela. E, despromovida, Midões embezerrou no Tempo. Manteve a sua Matriz elegantíssima

MATRIZ.JPG

e o Palácio das Quatro Estações, mudo e quedo, numa galharda espera por um amanhã condigno.

PALÁCIO 4 ESTAÇÕES.JPG

Mas será complicado encontrar outra localidade com igual densidade de património imobiliário antigo, às vezes devidamente restaurado,

IMG_6271.JPG

outras nem por isso. O pelourinho, todavia, mantem-se lá,

PELOURINHO.JPG

tal qual interessantes aspectos do quotidiano. Como sejam a Fonte da Caricha, lavadouro comunitário de 1872,

IMG_6277.JPG

e o seu sucessor de 1981, quando o mundo inteiro girava no ritmo das máquinas eléctricas e Midões, ao que se vê, - não.

LAVADOURO 1981.JPG

Ficaram outras ruínas.

CAPELA ALBUQUERQUE.JPG

Sobrou o casario antigo

IMG_6286.JPG

e bocados desmantelados ou remendados dele.

IMG_6281.JPG

Sobrevieram lugares atenciosos como as instalações da Junta da Freguesia e um quase pronto "hotel de charme".

HOTEL CHARME.JPG

A que tudo acresce o aroma feliz que emana das figueiras e o esvoaçar das aves - rolas, corvos, milhafres - mais a razia nos galinheiros, proeza dos Joões Brandões de agora, as ginetas e as doninhas. Os cães serranos rugem por todos os cantos, vá lá saber-se porquê sorridentes à minha passagem...

CÃES GUARDA.JPG

Foram tardes de calor maduro e piscina de amigos a terapeutizar a minha perna. E jantares como manda o figurino. Pelo meio, a imperdível memória do incêndio de Outubro de 2017, em que o fogo chegou via aérea aos pedaços de lenha ardente.

CASA QUEIMADA.JPG

Midões contabilizou então duas mortes, as de uns desgraçados que tudo faziam para salvar os seus haveres. A ruindade entrou pelos telhados e devorou alguns séculos de História documentada e pergaminhos familiares. Não que isso fosse tema à mesa... Mais depressa se comentava a presença britânica em Midões - mulheres peludas como lobisomens, sequinhas de peito e calçadas em sandálias feitas de pneus de bicicleta...

 

Tábua

João-Afonso Machado, 13.08.22

O Amadeu, promissor pastor transmontano, veio trazido para a Beira Alta, mais precisamente para o concelho de Tábua, onde o distrito de Coimbra confina com o de Viseu. Foi uma companhia tão valiosa quão o seu olhar indica e os seus dois meses de vida fazem prever. Com saudades o deixei com a firme certeza de que, na próxima vez, o Amadeu de patas aos meus ombros é rapaz para me dar uma "amona" na piscina. Num outro dia qualquer a arder, como agora, em fogo vivo por tais paragens.

IMG_6290.JPG

A vila de Tábua não é rica nem monumental. Até parece uma marca posta no mapa com setas múltiplas indicando os mais atraentes lugares das redondezas. E correndo muito ao longo da sua Rua Prof. Doutor Caeiro da Matta (venerando Mestre de Direito na Lusa Atenas), onde a gente, depois de dar de caras na Praça da República (perdoe-lhes o Senhor o despropósito do topónimo) com a imensa Biblioteca João Brandão - um nome, uma história por ora em suspenso - 

IMG_6257.JPG

- ainda assim descobre edifícios de bom calibre, outrora poderosos, hoje adormecidos,

IMG_6258.JPG

e comércio convidativo, familiar, respeitável, - então como tem passado o "Ti Fernandes" dos seus bicos de papagaio?

IMG_6259.JPG

Porque, em boa verdade, não há localidades feias. Há-as é umas apenas mais bonitas do que outras. E o importante são as pessoas e o seu movimento, com alguns azares de permeio, sirva de exemplo esse cruzamento onde fui apanhado em flagrante fora de mão por um jipe da GNR, cujo cabo com todo a cortesia me multou em somente 60 euros. Poucos se poderão gabar deste feito azarento mas amavelmente resolvido, ali a dois passos do severo palco da Iustitia

IMG_6261.JPG

floreada pelo seu repuxo e esplanadas curiosas do acontecimento, vá lá a gente chamar parolos aos outros. Mais me interessou o destino da famíla Almeida ao deparar com a sua muda, cadavérica, "vivenda",

IMG_6262.JPG

porventura avantesmada pelos ditos Almeidas, intransigentes quanto à conservação das vidraças, velhinhos, velhinhos, mas ainda merecedores da atenção dos seus conterrâneos e com pernas para uma oraçãozita ao Senhor dos Milagres.

IMG_6264.JPG

Mesmo ali à mão, o recinto da União Desportiva de Tábua, decerto uma gloriosa combatente dos Campeonatos Distritais de Coimbra,

IMG_6265.JPG

de feições vincadamente parecidas com os Almeidas da "vivenda" da artéria abaixo. E, também como eles, de credo na boca a frequentar o Senhor dos Milagres...

Tábua é esta humildade em busca de algum conforto hodierno e pacato,

IMG_6266.JPG

ajardinado e já provido de TV Cabo. É ainda um bom punhado de terrenos semeados a girassol e leguminosas, umas oliveirazinhas entretanto,

IMG_6267.JPG

e a fugaz visão dos pintassilgos. Ora onde há pintassilgos há boa gente,

IMAGINAÇÃO.JPG

aliás criativa e colorida nas suas idas ao mercado. Não!, - definitivamente Tábua é uma vila a que regressar.